Grande operação da PF contra o tráfico internacional de drogas prende mais de 20 pessoas

  • 21/Fev/2019 13h22
    Atualizado em: 21/Fev/2019 às 13h30).
Grande operação da PF contra o tráfico internacional de drogas prende mais de 20 pessoas Foto: Wesley Costa

Numa mega operação deflagrada na manhã desta quinta-feira, 21, a Polícia Federal (PF) desarticulou um grupo suspeito de tráfico internacional de drogas. Foram presas 26 pessoas. De acordo com a PF, as drogas eram transportadas da Colômbia e da Venezuela para Brasil, Estados Unidos e Europa. Ao todo, agentes cumprem 55 mandados de prisão contra envolvidos no esquema.

Além das prisões – até o momento realizadas no Tocantins, no Pará e em Goiás –, a PF tenta apreender 47 aeronaves usadas pela quadrilha. Os mandados foram expedidos pelo juiz federal Pedro Felipe de Oliveira Santos, da 4ª Vara de Palmas.

João Soares Rocha, apontado como chefe da quadrilha, foi preso em Tucumã, no Pará. Ele já foi investigado por suposta lavagem de capitais do traficante Fernandinho Beira-Mar. A PF também apreendeu aeronaves, mas um balanço da operação não tinha sido divulgado até a última atualização desta reportagem.

Ao G1, o advogado de João Soares afirmou que não teve acesso ao processo e que não vai se pronunciar até que o cliente desembarque em Palmas.


Submarino

A PFl informou ainda que, um submarino foi apreendido no Suriname em fevereiro do ano passado. A suspeita é de que ele seria usado para levar drogas até a costa da África.

"Por meio de colaboração com a polícia antiterrorismo do Suriname nós também conseguimos localizar e apreender no Suriname um submarino feito justamente para transportar a droga até a costa da África", afirmou o delegado Marcelo Correia Botelho em entrevista coletiva em Palmas. "Esse submarino tem capacidade de até oito toneladas de drogas."

De acordo com a decisão da Justiça Federal para operação Flack, o submarino apreendido em 2018 foi localizado a 15 km de uma pista de pouso clandestina que recebia aviões com drogas. Dentro da embarcação, a polícia encontrou motores náuticos adquiridos em uma empresa de Belém, no Pará.

Do documento, também consta que, 13 dias após a apreensão do submarino, uma aeronave com 488 quilos de cocaína foi apreendida na pista clandestina.